Notícias de Fátima
Religião Educação Sociedade Lazer Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Alexandre Marto Pereira

20 de March, 2020

A Guerra

“E como a água não tem forma constante, também na guerra não há condições constantes” – Sun Tsu, “A Arte da Guerra”, Cap IV ‑ Franquezas e Forças

Todas as gerações têm a sua guerra. Numa memória ainda viva, calhou à geração dos meus pais a guerra colonial, e à dos meus avós a II Guerra Mundial. Mas ambas foram longínquas e a segunda nem envolveu as nossas tropas. Desta vez a guerra será travada porta‑a‑porta no nosso país.

Parece que esta guerra é a da minha geração. Um conflito sem tiros mas com as mortes, sem soldados mas com heróis, sem exércitos adversários mas com o inimigo infiltrado junto a cada vítima contaminada. Será uma guerra mais difícil, porque o inimigo não se vê, nem se compreende. O medo será grande, a tragédia imensa. Destruir‑se‑ão milhares de vidas e de projectos. Serão muitas as pequenas‑grandes histórias de cada pessoa, de cada família, de cada comunidade, de cada empresa que sucumbiu ou venceu no campo da batalha pela sobrevivência.

Para nós, crentes em Deus e na ciência, esta guerra relembra‑nos que somos pó, mas que sairemos vitoriosos. É uma questão de tempo (que se adivinha muito curto na imensidão dos séculos), até as histórias serem parte da História. E chegados ao momento da História, seremos testemunhas de que tudo muda após uma guerra: serão outros os senhores do mundo, nações que mandam mais, e outras que mandam menos; ricos que passam a pobres, e pobres que enrique‑ cem; regimes políticos que se afirmam, e outros que colapsam.

As prioridades serão outras, para pessoas, empresas e Estados. E o que se considerava seguro e correcto será dúvida e erro.

A derrota (desta) doença é a única certeza.

Também no nosso burgo a batalha está agora a começar. Diz‑se que nas guerras o melhor e o pior das sociedades fica à vista. Suponho que assim será também para a nossa cidade. Espero que consigamos todos, na luta pela sobrevivência de pes‑ soas e empresas estar à altura das nossas responsabilidades, para honrar aqueles que viveram outras guerras.

Últimas Opiniões de Alexandre Marto Pereira