Notícias de Fátima
Sociedade Religião Lazer Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB
Home Entrevistas “Sempre me senti um homem realizado”

“Sempre me senti um homem realizado”

13-01-2022
Deixou recentemente as lides políticas, mas promete continuar “a andar por aí…”. Do seu percurso político constam diversos cargos, nomeadamente o de presidente da Junta de Freguesia de Fátima e da Câmara Municipal de Ourém. Fundou o MOVE - Movimento Independente e esteve envolvido no movimento “Fátima a Concelho”. Acredita que esta causa não está perdida – “assim os fatimenses o queiram” – e mostra-se disponível para voltar a defendê-la “desinteressadamente” e “sem interesse de liderança”.

Notícias de Fátima (NF) - Deixou recentemente a liderança do MOVE, mas prometeu voltar em breve para lutar pela autonomia de Fátima. Acredita que a causa “Fátima a Concelho” não está perdida, foi apenas adiada?

Vítor Frazão (VF) - Na minha opinião, esta causa apenas foi injustamente adiada e nunca será uma causa perdida, assim os fatimenses o queiram. Injustamente porque, em 19 de Novembro 1998, aquando da última “leva” de elevações (caso de Vizela e não só), Fátima subiu à categoria de Concelho, porém, o Presidente da República, ao tempo, vetou esse direito e só o fomos “por um dia”. Sem interesse de liderança, em Janeiro próximo, irei providenciar por uma iniciativa popular, cujo resultado retracte a vontade de se iniciar ou não o processo de “Fátima a Concelho”, já que até 2024 irá decorrer a Regionalização, a nível nacional.

 

NF - Considera que a criação do concelho de Fátima é uma necessidade?

VF - Sim. Para bem de Fátima e das restantes freguesias do Concelho de Ourém.

 

NF - Caso a regionalização avance, entende que é o momento certo para avançar com esta aspiração?

VF - Sem dúvida! Eu tudo farei, porque ou é agora ou nunca.

 

NF -Está disponível para voltar a defender esta causa?

VF - Deixei, recentemente, a minha missão política, mas isso não significa que não me empenhe no que quer que seja e, por isso, estou disponível, “desinteressadamente”, para colaborar.

 

NF - Já começou a fazer contactos/movimentações nesse sentido? O que está a ser feito?

VF - Neste momento, estou a planificar a iniciativa, para Janeiro!

 

NF - Acredita que a sua carreira política ainda não está esgotada? Ainda pode dar muito a Fátima em termos políticos?

VF - No sentido estrito da palavra “política”, já dei o meu lugar, mas, socialmente, por minha iniciativa ou a solicitação, vou andar por aí… ainda não morri. 

 

NF - Qual foi a maior vitória que teve na vida política?

VF - Ter servido o povo na Junta de Freguesia de Fátima, na Câmara Municipal de Ourém e, ainda, ter fundado o MOVE-Movimento Independente.

 

NF - E a maior desilusão?

VF - Os interesses pessoais e dos lobbies instalados nos partidos políticos e a ingratidão de quem vive à custa da ultrapassagem dos valores da ética social.

 

NF - Sente orgulho no MOVE?

VF - Permitam-me a imodéstia, mas, para mim, o MOVE-Movimento Independente é um “orgulho eterno” e só tenho pena que muitas pessoas não tenham entendido a minha mensagem, em face da descredibilização dos partidos políticos.

 

NF - Acredita que o MOVE pode fazer a diferença na política do concelho ou foi uma espécie de “vingança” pelo seu partido o ter responsabilizado pela derrota eleitoral em 2009?

VF - Sim, acredito, plenamente, no MOVE e na sua actual direcção. Se, até agora, tem sido a terceira força mais votada nas eleições autárquicas, acima do CDS-PP e da CDU, vaticino que, em 2025, obterá um melhor resultado, em face do óptimo trabalho irá realizar ao longo destes quatro anos. Quem perdeu as eleições, em 2009, foi o PSD, sim, o PSD. Eu não sou um homem de vinganças, sou, isso sim, um homem de acção, um homem de luta. O MOVE-Movimento Independente não tem nada a ver com os resultados eleitorais de 2009! Nasceu em 2013, como alternativa aos partidos políticos e em defesa da liberdade e democracia das populações, tantas vezes suplantadas pela verborreia “dalguns políticos”.

 

NF - Na altura, custou-lhe perder as eleições para o PS?

VF - Não me custou nada porque sei ganhar e perder e, democraticamente, acatei os resultados.

 

NF - E custou-lhe deixar o PSD?

VF - Custou, mas já virei a página desse livro onde não constam “certos nomes” (e esses sabem disso). Pelo contrário, nesse livro, - porque sou um homem de “antes quebrar que torcer -, regista-se a minha tenaz capacidade de enfrentar adversidades e adversários.  

 

NF - Sentiu-se injustiçado? Esperava solidariedade dos seus companheiros?

VF - Quem foi solidário comigo, eu bem o sei, tal como, também, sei quem foram os que, “premeditada e cobardemente”, não o foram. Essas pessoas esquecem-se que, na vida, tudo é efémero. Para responder a esta pergunta, chamo à ribalta a tramóia que engendraram contra Rui Rio, mas quis a seriedade das bases do partido que lhe fosse dada, merecidamente, a vitória. “Foram derrotados os que, com interesses umbilicais”, se queriam afiambrar nas listas de deputados. Não pode valer tudo em política.

 

NF - Guarda alguma mágoa desses tempos ou são águas passadas?

VF - São águas passadas e só esta entrevista, com perguntas tão acutilantes, me fizeram reviver o passado. Essas mágoas não evitaram, nem evitarão, - nunca, jamais -, que siga o meu caminho e seja feliz.

 

NF - Voltando ao presente, como passa os seus dias?

VF - Sempre me senti um homem realizado e, na actualidade, leio, escrevo, investigo, viajo, dirijo e acompanho a realização das iniciativas empreendedoras da família, participo em debates sobre os acontecimentos locais e internacionais, muitos deles tristes, ditatoriais e incompreensíveis no século XXI.

 

NF - Já publicou vários livros e promete não ficar por aqui. Alguma vez pensou escrever um livro de memórias?

VF - Sobre as minhas memórias não escreverei porque o meu currículo é a síntese da minha vida, mas, brevemente, publicarei um outro livro.

 

NF - Quando olha para a terra que o viu nascer e crescer, Fátima, gosta do que vê ou entende que podia estar bem melhor?

VF - Fátima, devido à resiliência dos fatimenses e à repercussão da fenomenologia das Aparições, é merecedora de melhor imagem. Defendo que em Fátima, - mais do que dissertar-se em tertúlias, - deve criar-se “um grupo (apolítico) de reflexão” que fomente o espírito de unidade, que lute pela ascensão de “Fátima a Concelho” e reflicta, essencialmente, no futuro de Fátima. A título de exemplo, onde estão guardados os projectos que reapreciem o fluxo turístico para combater a sazonalidade, que estudem a segurança, que revejam o PDM e reorganizem o território da nossa freguesia? Onde está a reanálise dos parâmetros do IMI de molde a reduzi-lo e a torna-lo mais equilibrado? E as novas vias e acessibilidades, a localização de (verdadeiras) zonas industriais e as futuras áreas de expansão habitacional/populacional? E a salvaguarda do ambiente e património? etc.

 

NF - É frequente ouvir-se dizer que existe um preconceito em relação a Fátima, sobretudo por parte do Poder Central. Também comunga desta opinião?

VF - Na verdade, Fátima merece mais atenção por parte do Poder Central, pois, devido às Aparições contribui, obviamente, para divulgar Portugal no Mundo, sendo, portanto, imperioso e urgente, apoiar e executar obras públicas de fundo, como: Ligação do IC9 à A1, o quartel dos Bombeiros, acessibilidades estruturantes, reaproveitamento funcional da (existente) estrutura aérea, nomeadamente, para o turismo, para o comércio nacional e internacional, etc.

 

NF - E no que diz respeito ao concelho, considera que existe uma certa rivalidade entre Fátima e as restantes freguesias do concelho?

VF - Se Fátima vier a alcançar a categoria de Concelho, não tenho dúvidas que tal realidade, seria benéfica para ambas as partes.

 

NF - O actual executivo tem tratado bem de Fátima ou entente que os projectos estruturantes continuam a ser adiados?

VF - Como atrás disse, Fátima, além do que aqui se tem feito, merece, com carácter de urgência, “obras estruturantes” para um futuro mais próspero, sustentável e mais moderno.

 

NF - Para finalizar, e como estamos próximos do Natal, se pudesse escolher um presente para Fátima, o que escolheria?

VF - O que mais gostaria de oferecer aos fatimenses, direi a todos os oureenses, era a garantia de que a COVID 19 se tinha sido debelada.