Notícias de Fátima
Sociedade Religião Lazer Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB
Home Entrevistas “Vai ser um espectáculo com muitos motivos de interesse e diferente do habitual”

“Vai ser um espectáculo com muitos motivos de interesse e diferente do habitual”

04-03-2022
No próximo dia 13 de Março, pelas 18h, o grupo “Gente Nossa” vai apresentar o seu álbum de estreia no Teatro Municipal de Ourém. Jorge Gonçalves, um dos elementos da banda, levanta um pouco do véu do que será este espectáculo que conta com a presença de alguns músicos convidados, amigos dos “Gente Nossa”, entre eles Rão Kyao, Dalila Marques (violino-Quinta do Bill), Pedro Ferreira (teclas-Anaquim), António Martins (guitarra portuguesa), Ricardo Santos (gaita-de-foles - Velha Gaiteira), Elsa Gomes (fadista) e a bailarina de Vírgul, Marta Fernandes

Notícias de Fátima (NF) - O que podemos esperar do espectáculo de 13 de Março?

Jorge Gonçalves (JG) -   Vai ser um espectáculo com muitos motivos de interesse e diferente do habitual. Para além da música, que é obviamente o motivo principal desta festa, haverá um cuidado especial com o aspecto visual, quer em termos de iluminação, de imagem e de coreografia. Temos também um elenco de convidados, quase todos conhecidos do grande público, que aceitaram o nosso convite e vão ajudar-nos na apresentação do nosso álbum.

 

NF – Chegar aqui é a concretização de um sonho?

JG -   Sim, sem dúvida. Passámos cerca de 10 anos a tentar concretizar um primeiro sonho que era o de editar um álbum. Esse sonho foi concretizado com muito trabalho e com a ajuda de muitos amigos, a quem continuamos a agradecer do fundo do coração. Infelizmente, logo após a concretização desse sonho, em princípio de 2020, aconteceu o que todos sabemos e que afectou muitas áreas da nossa actividade diária, nomeadamente no sector da cultura e dos espectáculos e impediu a concretização do segundo sonho que era a sua apresentação pública através de várias formas. Estavam programados, não só o espectáculo de apresentação do álbum, como uma visita aos nossos amigos de Long Branch, nos Estados Unidos, para além de outros eventos do género. Com a pandemia nós, e muitos outros como nós, acabámos por ser obrigados a cancelar todos esses eventos e apenas fizemos algumas aparições públicas em espectáculos cheios de restrições e também em streaming, online.

 

NF – O espectáculo reúne um elenco de luxo. Como se proporcionou a participação destes artistas na festa?

JG -   Na verdade, alguns deles são amigos e conhecidos nossos, recentes ou de longa data. Outros são músicos profissionais, que depois de ouvirem os temas, aceitaram participar nesta festa.

 

NF - De todos eles, o nome mais sonante será sem dúvida o de Rão Kyao…

JG – Sem dúvida.  Vai tocar alguns dos temas na flauta, instrumento que adoptou há já uns anos como principal, nas suas composições. É um amigo pessoal de longa data. Ao longo dos anos, nas poucas vezes que nos fomos encontrando, a conversa derivava sempre para o mesmo: “Um dia temos de tocar umas coisas em conjunto…” A verdade é que esse momento só se proporcionou agora, mas vem sempre a tempo. Foi quando tinha de ser. Por outro lado, o Rão tem uma ligação muito forte com Ourém, mais propriamente com o lugar da Carapita, pois passou a sua infância e juventude estreitamente ligado a uma pessoa de lá, que na altura trabalhava em Lisboa para a sua família. Os laços nunca se perderam e, felizmente para nós, ele vem finalmente tocar connosco.

 

 

NF – Mas há mais…  

JG - Teremos também a violinista Dalila Marques, professora no Conservatório de Música de Ourém-Fátima e membro da banda Quinta do Bill. De entre os convidados, a Dalila é a que está, para já, mais integrada neste projecto já que teve alguns ensaios connosco. Mostrou muito interesse desde o início e, pela nossa parte, gostaríamos de contar mais vezes com ela para além deste espectáculo de apresentação. Na guitarra portuguesa estará o António Duarte Martins, um guitarrista da nova vaga do fado português que acompanha alguns dos nomes principais da actualidade como por exemplo Mariza ou Ana Moura. O sector das teclas será reforçado com o Pedro Ferreira de e membro da banda Anequim de Coimbra de quem conhecemos alguns temas das bandas sonoras de algumas novelas da SIC. É também um amigo pessoal. Como não podia deixar de ser, e para interpretar um fado que existe neste álbum, a Elsa Gomes, uma conhecida fadista e “entertainer” da nossa região que se caracteriza pela sua boa disposição, e por uma pujante presença em palco. Era obrigatória a sua presença, não só por já termos feitos muitos espectáculos em conjunto mas também porque foi ela que deu voz a esse tema na gravação do nosso álbum. Para fazer uma coreografia num tema especial, que tem letra de um nosso amigo de infância e infelizmente nos deixou há uns anos, estará a Marta Fernandes, licenciada em dança, bailarina profissional, professora ballet, dança contemporânea e hip hop e actua normalmente com o conhecido artista Virgul.

 

NF – Esta homenagem a Francisco Vieira será um dos pontos altos do espectáculo?

JG - Será um momento muito especial para nós, em que aproveitaremos para relembrar e homenagear o nosso grande amigo “Chico”, o doutor Francisco Vieira.

 

NF – Será um espectáculo cheio de surpresas…

JG - A interpretar um tema com voz e guitarra estará também um familiar e amigo da banda: O Filipe Gonçalves, fatimense e jornalista do Canal 11, depois de ter passado pela Sport TV. Nas horas vagas toca com a sua banda lá por Lisboa e também aqui na nossa região. Já não é a primeira vez que lhe fazemos esta “partida” pois este não é o tipo de música que ele costuma cantar. Mas ele aceita sempre o desafio. Finalmente estará outro familiar e amigo da banda que é o Pedro Gonçalves. Vai tocar baixo num tema que também já gravou no álbum. É “designer” sonoro e produtor musical. Para tocar o tema connosco, terá de fazer um intervalo na sua ocupação principal desse dia, já que será o responsável pelo som do espectáculo. Ao reunirmos este “elenco de luxo”, como lhe chamou, quisemos retribuir a confiança que em nós depositou a organização destes eventos da Agenda Cultural do Teatro Municipal de Ourém, trazendo mais qualidade a este espectáculo. Por outro lado, e uma vez que já tocámos algumas destas músicas em público, quisemos também trazer muita novidade à nossa ansiada apresentação deste álbum.

 

NF - O feedback do público ao álbum tem sido positivo?

JG - Na verdade, o lançamento oficial do álbum vai ser feito apenas no dia 13 de Março. Só a partir daí é que podemos ter uma ideia mais precisa da sua aceitação. No entanto, as primeiras impressões das poucas pessoas que já o conhecem tem sido bastante positiva.

 

 

NF – O vosso álbum é quantos temas tem? Todos originais?

JG - Este álbum tem 12 temas. Em oito deles, as letras são de poetas conhecidos e já desaparecidos representativos da nossa literatura, desde a Idade Média aos nossos dias. Entre eles destaca-se a presença de Camões e Pessoa, como não podia deixar de ser. Nos outros quatro, as letras são de autores da nossa terra representativos da nossa freguesia, do nosso concelho e do nosso distrito. Todas as músicas são originais. Há ainda uma faixa extra que é a repetição do tema “A Minha Varanda”, com letra do Dr. Francisco Vieira, orquestrada e interpretada de forma diferente.

 

NF - Esperam-se outros espectáculos/actuações durante este ano?

JG - Há já alguns agendados e esperamos agendar mais com esta divulgação pública oficial.

 

NF - Se lhe pedíssemos para o descrever numa só frase, qual escolheria?

JG - “Gente Nossa, canções que simbolizam a nossa língua e a nossa cultura.”

 

NF - Já estão a trabalhar no próximo trabalho?

JG - Sim, na verdade já temos material suficiente para um segundo álbum de originais com as mesmas características. Mas, para já, estamos focados na apresentação e divulgação deste primeiro, de estreia, e que tem o mesmo nome da banda: “Gente Nossa”.