Notícias de Fátima
Religião Lazer Sociedade Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Eugénio Lucas

21 de January, 2021

Liderança da União Europeia

Um problema, possivelmente um dos mais relevantes, no funcionamento da União Europeia nos últimos anos é falta de uma liderança que congregue os cidadãos europeus à volta do projecto europeu, que consiga contribuir para o  desenvolvimento global desta comunidade e para demonstrar as vantagens de pertencer à União Europeia.

 

Apesar do contexto de profunda crise sanitária, com todas as consequências sócio‑económicas que lhe são associadas, assistimos, no final do ano de 2020, a sinais de uma liderança efectiva da União Europeia, que se revela, nomeadamente, na aprovação de quatro recentes medidas muito importantes para o nosso futuro:

 

‑ A aquisição de vacinas contra a COVID‑19, por parte da União Europeia, para todos os cidadãos dos seus Estados‑Membros. Percebendo a gravidade da pandemia a União Europeia contribuiu financeiramente para acelerar o desenvolvimento e o fabrico de várias vacinas, assegurando em simultâneo a aquisição de quantidades suficientes para garantir a vacinação dos seus cidadãos. Neste processo a União Europeia actuou como um Estado federal, efectuando a aquisição de vacinas para todos os Estados‑Membros da União e garantindo que a distribuição é feita em função da população de cada Estado‑Membro, de forma a garantir um acesso equitativo.

 

‑ Face à crise mais profunda desde a II Guerra Mundial, resultante da pandemia COVID‑19, a União Europeia aprovou um pacote de recuperação de 1,8 biliões de euros (orçamento plurianual para 2021‑2027 (1,07 biliões de euros) e o Fundo de Recuperação (750 mil milhões de euros), cabendo a Portugal mais de 45 mil milhões de euros (a chamada “bazuca financeira”). De realçar que o Fundo de Recuperação será financiado com dívida comum contraída pela Comissão Europeia nos mercados em nome dos 27 Estados‑Membros e que mais de metade deste Fundo (390 mil milhões) será destinada aos Estados‑Membros a fundo perdido. A aprovação deste Fundo de Recuperação foi um processo muito difícil, com os Estados‑Membros a terem diferentes entendimentos sobre a natureza do Fundo e da participação da União Europeia nesse Fundo.

 

‑ Ao fim de sete anos de negociações foi aprovado um “acordo de princípio” sobre Investimentos entre a União Europeia e China. Face ao contínuo crescimento da economia chinesa e à guerra comercial China‑EUA, este acordo é particularmente importante para a economia da União Europeia. Considerando que a União Europeia tem sido muito mais aberta ao investimento estrangeiro do que a China, este acordo pretende criar um equilíbrio nas relações comerciais entre a União Europeia e a China.

 

‑ No seguimento do processo do Brexit foi assinado, depois de longas e difíceis negociações, o “Acordo sobre a relação futura entre a União Europeia e o Reino Unido”, documento fundamental para assegurar uma saída ordenada do Reino Unido da União Europeia.

 

Nestas quatro medidas, que são quatro casos de sucesso, foi evidente o empenho pessoal de vários líderes europeus dos quais destaco: Ursula von der Leyen e Angela Merkel.

 

A actual presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, tem demonstrado uma grande capacidade de visão e de antecipação, é uma hábil negociadora e tem‑se vindo a revelar como uma consistente líder da União Europeia. 

 

Angela Merkel é a chanceler da Alemanha desde 2005, cargo que irá deixar de exercer em Setembro de 2021, e é considerada por muitos como a líder de facto da União Europeia. Estas quatro medidas, e muitas outras, alcançadas no 2º semestre de 2020, durante a presidência alemã da União Europeia, que tiveram um empenho directo da chanceler Merkel na sua concretização, comprovam o seu europeísmo e a sua capacidade de liderança. Prestes a abandonar as funções governativas na Alemanha, depois de 15 anos de governação, é merecido o seu reconhecimento como um dos mais importantes líderes da União Europeia, que viu sempre mais longe do que só os interesses da Alemanha e que teve a União Europeia sempre presente na sua actuação.

 

Encontramos nas recentes teorias das Relações Internacionais críticas contra o excessivo andro‑centrismo da política internacional, em que os temas relacionados com o poder, segurança, guerra‑paz e soberania do Estado são estruturantes e, em contrapartida, essas novas teorias defendem que a perspectiva do género feminino é diferente, com base num conceito de identidade, diálogo inclusivo e transformação global.

 

O sucesso das lideranças de Ursula von der Leyen e Angela Merkel pode contribuir para dar maior visibilidade a lideranças femininas e desenvolver este diferente tipo de liderança.

 

Ao longo da história da União Europeia os períodos de maior desenvolvimento estão associados a grandes líderes. Desejo que a União Europeia beneficie novamente de uma liderança que entenda as necessidades dos europeus e que esta crise e a sua recuperação não sejam uma oportunidade perdida para a União Europeia.

Últimas Opiniões de Eugénio Lucas