Notícias de Fátima
Sociedade Religião Lazer Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

José Poças

21 de janeiro, 2022

As eleições de 30 de Janeiro de 2022

Por uma questão de velha amizade em relação a um dos candidatos assisti, na terça-feira, ao debate entre os partidos que não têm assento parlamentar e que concorrem às eleições no dia 30 de Janeiro. Verdade seja dita que fiquei surpreendido com quase tudo. Desde logo pelo moderador do Canal 1 da nossa televisão pública. Com um ego do tamanho do mundo, este jornalista mais parecia um agente da inquisição. Quando a resposta não lhe agradava, interrompia, questionava de forma abrupta, quase que batia nalguns dos intervenientes. É certo que dá para perceber porque é que alguns destes partidos têm tão fracos resultados. As suas propostas são absurdamente extremistas e/ou a fragilidade dos seus argumentos é confrangedora. Mas, no entanto, vivemos em democracia participativa, com a possibilidade das pessoas poderem defender as suas ideias, de as poderem apresentar aos portugueses. E permitirem-nos escolhê-las sensatamente. Sem uma nova censura, em nome do politicamente correcto.

 

A História tem provado que os extremismos (de direita ou de esquerda) só aparecem e crescem numa sociedade que já não acredita nos seus políticos “tradicionais”, que está farta de más governações, de corrupção, etc, etc. Portanto, o espantalho que os partidos do ciclo do poder agitam em relação ao extremismo vai um pouco no sentido daquele velho aforismo que diz que “quando apontamos um dedo a alguém, esquecemos que temos três dedos apontados para nós”. O aparecimento do extremismo é, em parte, culpa de quem nos governa (sozinho ou em coligação) ou de quem, na oposição, também pouco ou nada consegue resolver, de concreto, a uma população martirizada com impostos ou com grandes problemas sociais e económicos.

 

Também extremamente engraçado (palavra simpática) é o facto de logo a seguir aos debates, todas as televisões generalistas apresentarem um leque variado de comentadores e pseudo-comentadores, grande parte deles ligados a partidos políticos. Chega-se ao extremo de colocar frente a frente, logo a seguir ao debate entre António Costa e Rui Rio, um comentador do PS (por acaso deputado) e um ex-deputado do PSD. Nenhum deles tem a mínima isenção para pode comentar o que quer que seja.

 

E já que estamos a falar dos debates entre os partidos com actual representação parlamentar é confrangedor como são apenas abordados os temas de forma muito geral, sem aprofundar o que pensam em relação à educação, à saúde, à coesão territorial, à desertificação do interior, ao ambiente (não, não estou a falar das propostas dos partidos fundamentalistas nessa área), à justiça, entre outras temáticas estruturantes. Também aqui os moderadores foram demasiado agressivos com alguns partidos e, curiosamente ou não, demasiados permissivos com os poderosos ou com o partido de estimação de muitos jornalistas (ainda um dia se há-de saber porquê), o Bloco de Esquerda.

 

Nem uma única palavra foi dita sobre a reforma do actual sistema eleitoral. É uma vergonha que no dia 30 de Janeiro sejamos enganados, votando na lista de um partido que, se ganhar as eleições, vai arranjar “tachos” no governo e Direcções Gerais para os primeiros candidatos, passando nós a ser representados pelo 7º ou 8º da dita lista, que ninguém conhece e a quem não se reconhecem grandes capacidades como parlamentares.

 

É mais do que tempo de adoptarmos os círculos uninominais. Alguém que tenha um rosto (que não se esconda numa lista) e nos represente directamente no Parlamento.

 

É pena que nestas eleições, pelo distrito de Santarém apenas o PSD tenha um candidato do nosso concelho em lugar elegível, João Moura. Longe vão os tempos em que essa era a bandeira do PS local.

 

Um dos temas que deveria ter estado em cima da mesa e que merecia um debate sério é o da regionalização. Os partidos apenas se referiram genericamente à intenção de avançar na discussão desta temática em 2023.  Para o ano será, pois, o tempo certo de nos sentarmos calmamente, sem interesses pessoais de afirmação pessoal ou político-partidária e, em conjunto, começarmos a discutir com bases sólidas de argumentação, a possível criação do concelho de Fátima.

Últimas Opiniões de José Poças