Notícias de Fátima
Religião Lazer Sociedade Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

José Poças

5 de March, 2021

Muita água ainda vai correr por debaixo da ponte

Vivemos tempos estranhos. Depois de uma geração traumatizada com a 2ª Grande Guerra, a que se seguiu uma outra que “foi apanhada” pela Guerra Colonial, o certo é que já nem estranhamos muito as notícias do telejornal que nos lembram ter passado um ano desde que o COVID passou a fazer parte das nossas vidas. 

 

Contrariamente ao que então se afirmava convictamente, que iríamos sair desta pandemia mais fortes, mais solidários, a realidade, infelizmente, tem sempre duas faces. Se é certo que, como aliás é apanágio dos portugueses, se revelou a nossa faceta altruísta, reinventando afectos e solidariedades, também percebemos que, em muitos de nós, há sentimentos primários, baseados no “salve‑se quem puder… mas primeiro eu”. O egoísmo, o chico‑espertismo (por parte de alguns dirigentes políticos e não só) foram‑se revelando ao longo desta pandemia em que a resiliência dos portugueses tem sido posta à prova.

 

Este vírus deixou e deixa marcas profundas que nos obrigaram a um novo olhar sobre a vida que levamos e a envolvência com as pessoas que nos rodeiam. Pessoalmente, sou um pouco céptico em que possa haver uma regeneração ética na nossa sociedade. Um simples exemplo. Todos sabemos que houve uma grande mortalidade nos lares da terceira idade em Portugal. O que está previsto fazer‑se? O que vai acontecer a todos os lares ilegais que não tinham condições para acolher aqueles que, pela sua fragilidade física e emocional, mais precisam de apoio e carinho? Vai cair tudo no esquecimento. Até porque o Estado não tem (ou não quer) assumir a responsabilidade social de dar condições dignas a todas estas pessoas. É estranho falar‑se tanto do Serviço Nacional de Saúde e nenhum partido defender uma rede nacional de lares de apoio à Terceira Idade. Outro exemplo trágico está relacionado com a contabilidade das mortes de doentes crónicos, com múltiplas doenças, que não foram acompanhados, dos que tinham operações urgentes que foram adiadas, etc, etc.

 

Quanto ao nosso quotidiano político, é tempo de se começarem a contar “as espingardas” (passe o termo bélico). Aproximam‑se as eleições autárquicas e o debate vai por certo ressurgir. É também o tempo de começarmos a olhar para a política local em jeito de balanço. Enquanto para quem está no poder o copo está meio cheio, para a oposição estará, por certo, meio vazio. Enquanto uns vão apresentar obra feita (ou a ser feita), os outros vão “jurar a pés juntos” que muito mais poderia ter sido feito.

 

Resta uma certa curiosidade para perceber o que irão fazer os que vivem debaixo da sombra tutelar de um líder, seja nacional, seja um independente. Sabemos que o Chega é sobretudo (e só) André Ventura e que os votos que obteve em Fátima são sobretudo dos descontentes com a política nacional. A grande questão a nível local é que o que conta são as pessoas que irão fazer parte das listas. Será que vai apresentar candidatos credíveis? A ver vamos.

 

Concordo inteiramente com João Miguel Tavares quando ele afirma que “a cultura de mediocridade se foi instalando no Estado ao longo de décadas de desleixo, de alocação duvidosa de recursos e de ausência de meritocracia.” Por isso é que os dois principais partidos portugueses tentaram travar as candidaturas independentes às eleições autárquicas, com uma lei sem pés nem cabeça. Embora verdade se diga que são poucos os que se podem arvorar deste título de independentes. A maior parte são candidatos que não tiveram lugar nas listas do partido em que militavam.

 

Devido à pandemia, será curioso ver como é que as campanhas locais se vão reinventar, já que será quase impossível manter as tradicionais “procissões” nas festividades locais, regadas a vinho, frango e/ou borrego.

 

Como se costuma dizer na aldeia da minha mãe, “muita água ainda vai correr por baixo da ponte” até às eleições.

Últimas Opiniões de José Poças