Notícias de Fátima
Autárquicas 2021 Religião Lazer Sociedade Educação Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

José Poças

10 de May, 2021

Os 50 anos da cidade de Fátima ‑ II Parte

Falar sobre a cidade de Fátima, que em 2022 vai comemorar 25 anos deverá ser o ponto de partida para debatermos o que queremos para 2047, ano em que se comemorarão os 50 anos da cidade. Muito há para fazer em e por Fátima. Dois dos eixos estruturantes a necessitarem urgentemente de serem requalificados são a Avenida João XXIII e a dita Avenida (que por enquanto pouco mais tem que o nome) Irmã Lúcia de Jesus. Obras complexas, com necessidade de apoios governamentais ou europeus, mas que são fundamentais para a nossa cidade.

 

Hoje em dia é senso comum que uma cidade não é só um espaço físico, é também um espaço social, onde há formas de estar diferentes, espaços de mobilidades heterogéneas e variadas onde se deve apostar na qualidade de vida. Por isso, há uma pergunta que deveríamos fazer à partida ‑ Em que medida a cidade de Fátima está adaptada para oferecer a quem cá vive e a quem nos visita um acolhimento inclusivo, sem barreiras, que permita a mobilidade a todo o tipo de deficiências?

 

Como sói dizer‑se nós temos uma visão muito automobilística de Fátima, exceptuando a Avenida D. José Alves Correia da Silva, que usamos para os nossos percursos pedestres. Normalmente não nos apercebemos das barreiras que dificultam a mobilidade em espaços públicos. Só quando passeamos com carrinhos de bebé ou quando a lei da vida nos traz as mazelas físicas próprias da idade é que começamos a sentir dificuldades nas acessibilidades dentro da cidade.

 

Em 2009, aquando da realização em Fátima do II Congresso Ibero‑Americano de Destinos Religiosos e do V Congresso Internacional de Cidades‑Santuário, identificaram‑se novos desafios para o futuro. Um dos temas principais foi o ordenamento urbano em cidades de turismo religioso, tendo‑se chegado à conclusão que mais do que a promoção é fundamental a qualificação do território e a qualidade da recepção dos que visitam o destino Fátima. 

 

Uma cidade acessível é também uma cidade mais competitiva ao nível do turismo, que pode ajudar a combater a sazonalidade. A população sénior, a dita terceira idade, tem vindo a ganhar peso crescente e visibilidade económica. Temos assim, por um lado, mais pessoas com mobilidade reduzida e, por outro, com mais disponibilidade para viajar durante a época baixa, uma vez que já atingiu a idade da reforma.

 

Também por isso é urgente que se elaborem estratégias, com vista a que as futuras requalificações de ruas não contemplem só alcatrão e passeios simples, mas que haja uma preocupação na criação de percursos acessíveis a todos (nomeadamente no perímetro entre as Avenidas João XXIII e Beato Nuno), eliminando as barreiras físicas nos passeios e no acesso às passadeiras. Há que criar uma cidade de futuro, pensada também para as pessoas idosas, as que tenham de transportar malas/bagagens e ainda as famílias com crianças pequenas e carrinhos de bebé.

 

Outro aspecto importante a rever é o da sinalética dos percursos de acesso universal, que permitam às pessoas uma correcta orientação por toda a cidade de Fátima.

 

No já longínquo ano de 2007 realizou‑se na Lousã o I Congresso Nacional de Turismo Acessível onde foi apresentado o projecto “Lousã, Destino de Turismo Acessível” que pretendia «promover a melhoria da qualidade de vida dos habitantes locais e dos visitantes e incrementar o aparecimento de mais‑valias económicas apoiadas no direito ao lazer». É com este e outros exemplos que podemos (e devemos) construir o futuro da nossa cidade.

(continua)

Últimas Opiniões de José Poças