Notícias de Fátima
Autárquicas 2021 Religião Lazer Sociedade Educação Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

José Poças

21 de May, 2021

Os 50 anos da cidade de Fátima - III Parte

Uma das temáticas que merece uma reflexão profunda é o da fruição cultural em Fátima. Desde sempre houve um fraco ou nulo interesse do poder concelhio nesta área. Polémicas à parte, a nossa cidade nunca teve uma programação cuidada da Câmara Municipal, quer durante a governação social-democrata ou socialista.

É tempo de reivindicarmos, como direito próprio, um programa cultural diversificado, adaptado aos diferentes públicos (erudito, popular e infantil), com eventos mensais que dignifiquem a nossa cidade.

É tempo de pensarmos em Fátima como território da cultura, centro de encontro e lugar de partilha. Baseando-nos na Carta Europeia das Cidades e Territórios da Cultura e Património, devemos ser capazes de criar um projecto estruturado de Carta Cultural, que permita a criação progressiva de uma rede cultural, com ligação às associações e os agentes culturais individuais. A Câmara Municipal terá de fazer uma articulação, em conjunto com a Junta de Freguesia, uma análise SWOT das forças, fraquezas e oportunidades de Fátima, para se poder traçar objectivos (o que se vai fazer), qual o público-alvo e quais os resultados que se pretendem alcançar a médio prazo na área cultural.

É urgente que os nossos eleitos locais promovam uma política activa de acessibilidade de bens culturais aos diferentes públicos, numa estratégia que permita a promoção e dignificação de espaços na freguesia e o reforço de identidades locais.

É também mais do que tempo de serem criados eventos ligados à gastronomia local e regional, ao turismo desportivo, ao turismo de natureza numa articulação com as diferentes associações (e não só acções pontuais), etc, etc. Outro dos aspectos importantes a ter em conta é o da preservação da envolvência de Fátima. Não o vamos conseguir se continuarem a proliferar nas entradas da cidade os anúncios em painéis gigantescos (poluição visual) ou a aparecerem situações que põem em causa o equilíbrio e a estética da cidade. Nada justifica a necessidade de existir um totem publicitário luminoso excessivamente alto, quebrando a harmonia de ligação da estatuária da dita Rotunda Norte com a Avenida Dom José Alves Correia da Silva. E que dizer da entrada da Via Sacra? Tem de haver a coragem política de proteger toda a envolvência turístico/religiosa, legislando/criando a nível municipal uma zona de protecção paisagística especial dos sítios histórico/turístico/religiosos da nossa freguesia.

Nota final: Usando as palavras de um ilustre articulista, “não costumo comentar os artigos de outros colaboradores”, mas como fez referência ao meu artigo, quero também deixar-lhe, usando as suas palavras, “uma informação e um esclarecimento. Apenas isso”. Tenho algumas dificuldades em aceitar conselhos paternalistas sobre o concelho de Fátima, bandeira que sempre defendi, não só por palavras mas também por acções. Deixando de lado a posição de Jorge Sampaio (daria assunto para mais de uma crónica), permita-me uma pequena transcrição do Notícias de Ourém, de 26 de Dezembro de 2003, em que a jornalista descreve a minha tomada de posição na altura:

«Poças das Neves considera que ao PSD nacional “impunha-se dar uma satisfação aos habitantes de Fátima, o que não se veio a verificar”. O deputado municipal considera que “os políticos perdem a memória esquecem quem são e ao serviço de quem verdadeiramente devem estar, das populações que os elegeram e não de obscuros jogos políticos”. E se “há quem venda a alma e consiga viver muito feliz com o que resta”, o que não é o seu caso, tomou “a única posição que considerou digna - a demissão”.»

 

Últimas Opiniões de José Poças