Notícias de Fátima
Sociedade Religião Lazer Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Fernanda Rosa

18 de junho, 2021

“Não posso tomar partido, tenho um negócio aberto ao público!”

A simplicidade desta afirmação esconde uma complexa e dissimulada dinâmica na rede sociopolítica baseada num estilo camuflado e apadrinhado de pretensões, benesses, pressões, coações ou influências que condicionam a decisão e posição individuais quando o assunto é a eleição dos nossos governantes locais ou nacionais.

 

Quanto maior a hegemonia de uma corrente político-partidária num determinado local mais forte é a pressão, por vezes, quase tirânica de uns relativamente a outros, assumindo nestes, frequentemente, uma forma de medo de admitir publicamente a sua visão sobre as opções político-partidárias e particularmente sobre a forma como a nossa terra é « governada. Não poucas as vezes somos confrontados com a posição de concidadãos que rejeitam participar em acções de informação nas campanhas eleitorais porque não podem ferir outras sensibilidades políticas sob risco de « prejuízo para o seu negócio local, assumindo assim sentirem-se pressionados e coagidos.

 

Efectivamente, há uma espécie de políticos que entende que quem não está com o seu projecto político, está contra si. Esses tais continuam a tomar a seu cargo o objectivo de ascensão quase de realeza política procurando súbditos, discípulos ou afilhados que garantam a continuidade da sua jornada sociopolítica, num único propósito de obtenção de proveito próprio, esquecendo a essência da política: a governação do e no colectivo. E apesar dos inúmeros exemplos de condenável compadrio, corrupção e contas com a justiça, muitas vezes estéreis, é certo, parecem repetir-se os mesmos erros geração após geração. Já Friedrich Hegel (1770-1831) constatava que “o que a história ensina é que os governos e as pessoas nunca aprendem com a história”. Será uma fatalidade?

 

A política tem sido, de facto, campo minado e privilegiado de muitos que buscam apenas a promoção social e económica para si próprios, um pouco por todo o lado.  Fátima tem sofrido de uma tendência de governação de partido único cujos responsáveis dão como certa a vitória independentemente da aptidão do candidato. Esta fiúza, para além de menosprezar a inteligência do eleitor, sustenta o compadrio e o interesse individual corrompendo valores e ideais de governação para o colectivo. A desilusão dos cidadãos na política é grande e evidente! Esse desencanto afasta a competência e o rigor da vida política e da gestão pública o que permite a entrada da dissimulada gestão para o individual.

 

Como impedir? Agindo!

Já Platão (428 - 348 a.C) arguia que "a punição que os bons sofrem quando se recusam a agir é viver sob governo dos maus". A mudança que todos almejamos começa em cada um de nós, agindo no e para o colectivo. Ficar invariavelmente na bancada proferindo, por vezes, bolorentas críticas muitas vezes maledicentes e recusar participar na vida comunitária ou política sob pretexto de "não terem jeito para a política"; ou não se identificarem com a classe que nos tem governado, é hipocrisia mascarada de pretensa cidadania. Esta falta de pró-actividade política é terreno propício para a libertinagem política. Não temos nem devemos estar todos do mesmo lado! A democracia alcança-se na diversidade, na divergência, na discussão e na transparência.

 

Prefiro ver meus amigos envolvidos em projectos políticos ainda que diversos dos aos meus ideais ou valores do que vê-los amorfos e desapegados da política. Por isso, aos "bons"; que da esquerda à direita ou em movimentos cívicos ou de independentes se preocupam e envolvem de facto na acção política e na gestão do colectivo local ou nacional, o meu mais franco reconhecimento e sincera vénia!

 

Últimas Opiniões de Fernanda Rosa