Notícias de Fátima
Sociedade Religião Lazer Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Helena Barroso

20 de maio, 2022

Cuidar de um animal de estimação pode proteger o nosso cérebro do envelhecimento?

Uma pesquisa recente nos Estados Unidos sugere que cuidar de um cão ou de um gato por vários anos pode ajudar a mitigar o declínio cognitivo nos idosos. Nos idosos cuidadores de animais verificou-se que este declínio (conhecimento, memória) era mais lento comparativamente àqueles que não tinham animais de estimação.

 

O animal tem um impacto no humor e na nossa qualidade de vida.

 

Nesse estudo, em comparação com idosos que não tinham animais de estimação, os cuidadores eram menos propensos a ter hipertensão e depressão, sendo que ao cuidar e ter de fazer mais exercício físico (por exemplo em pequenas caminhadas com um cão) será um mecanismo envolvido na melhoria do stress e da mobilidade.

 

Ter ou não um animal de estimação é uma opção e quem optar por tê-los deve contar com as necessidades deles e todo o carinho e despesa envolvida, além de que se o idoso tiver de ser separado do seu animal de estimação pode ser uma situação devastadora em termos emocionais (por exemplo o idoso que tenha de entrar num lar por dependência), já para não falar da morte do animal e do luto inerente a essa perda.

 

Um animal não deve, apesar dos dados positivos do estudo, servir como um meio de melhorar a saúde cognitiva dos idosos, no entanto, naqueles que gostem de o fazer é encarado como algo muito positivo seja a nível cognitivo, emocional e físico.

 

Acreditem que ter um animal é algo que nos dá prazer, é o chegar a casa e ter sempre aquele ser para nos receber, nos acarinhar e, como tantas vezes verbalizo, “vivem para nós e são os mais leais”.

 

Queridos idosos: pensem nisto! E, se o fizerem, privilegiem os animais que estão abandonados.

Últimas Opiniões de Helena Barroso