Notícias de Fátima
Sociedade Religião Lazer Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Helena Barroso

17 de junho, 2022

Solidão… Não se mede aos palmos!

A solidão dos mais novos é, muitas vezes a mais submersa, a mais enigmática e a mais confusa. É a mais invisível dentro de uma casa, em que os adultos nem sempre a compreendem.

Provavelmente, só daqui a muitos anos vamos compreender como é que esta geração de crianças e adolescentes viveu esta experiência da pandemia, que medos e incertezas se alojaram neles ou que perguntas sem resposta fizeram. Só mais tarde vamos entender o que para eles representou o fecho abrupto das escolas, a distância dos amigos e o regresso às suas famílias nucleares como antes não haviam tido.

Uma coisa é certa, foram construídas memórias e relações de confiança no seio familiar. Quando virmos jovens “armados” de tecnologia, estirados pela casa, fechados nos seus interesses e que parecem com a cabeça noutro lado a responder com monossílabos, muitas vezes estão a proteger‑se de um mundo que sentem em derrapagem. Aquilo que vimos, como estarem implicativos e agressivos, na verdade estão assustados.

Nós adultos, pela vida e exigência quotidiana, depressa nos esquecemos de como as suas vidas estão fragilmente a ser construídas sobre certezas que têm que ter por base a nossa confiança. Não é fácil para nós, mas ganharíamos se nos dessemos ao trabalho de sintonizar com a solidão dos outros, também para nos reconciliarmos com a nossa. A solidão é das primeiras experiências que o ser humano experiência.

Quem já teve filhos sabe que os bebés querem e sentem necessidade de que falemos ou cantemos para eles mesmo de longe nos nossos afazeres: a solidão dos bebés existe. Quando ouvem a nossa voz deixam de se sentir sozinhos. O ser humano precisa de companhia. O nosso espaço, desde o nascimento, precisa de ser povoado pela presença física de outro ser.

Últimas Opiniões de Helena Barroso