Notícias de Fátima
Religião Educação Sociedade Lazer Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

José Poças

31 de October, 2019

Boa tarde, padre Kondor

Há muito tempo atrás, em 1954, dois padres verbitas chegaram a Portugal. Vindos da Alemanha, o seu destino era Fátima ou, mais propriamente, o então Seminário do Verbo Divino. Um deles, mais simpático e comunicativo, teimou que havia de aprender umas palavras para não fazer má figura ao chegar ao seu novo lar. À sua espera tinha, além dos seus colegas padres, os seminaristas. Do alto da sua imponente figura, soltou então um claro “Bom dia”! Só que em vez de impressionar quem o rodeava, apenas ouviu risos. E este húngaro de nascimento, que vinha dum seminário alemão, não só não percebeu porque se riam, como também não percebeu de imediato a emenda pronta que lhe fizeram, em bom português, “não é bom dia, é boa tarde”, pois o relógio já marcava as 16 horas.

Esta pícara história marca o início de uma vida dedicada, por inteiro, à nossa terra. Evocar a obra do padre Kondor não é tarefa fácil, pecará sempre por defeito, por mais que tentemos elencar toda a sua obra em e por Fátima. A sua memória está bem presente nalgumas das famílias e institui ções da nossa freguesia que foram por ele ajudadas e acarinhadas. Dado o espaço exíguo que tem uma crónica, permitam‑me só evocar uma das suas realizações.

O povo húngaro foi invadido no século XX, primeiro pelos alemães (na Segunda Grande Guerra) e depois pela URSS. O padre Elias Kardos foi um dos muitos magiares que fugiram nessa altura do seu país martirizado. Em 1951 veio a Fátima e ao conhecer a mensagem de Nossa Senhora, associou‑a ao seu país, sonhando com a construção na nossa cidade de um Calvário, o caminho dolo roso de Cristo. Tendo morrido sem ter concretizado o projecto, em Fátima surgia entretanto um outro húngaro que tinha fugido do seu país ainda seminarista, tendo acabado os seus estudos na Áustria e depois na Alemanha. Foi ele que, com terrenos oferecidos e/ou comprados, escolheu a escultora Amélia Carvalheira, o pintor Pedro Prokop, o arquitecto Ladislau Marek, o escultor Domingos Soares Branco e o artista Egino Weinert para construíram não só a Via Sacra, como também o Calvário e a Capela Húngara. Em 1992, quando a Hungria se libertou do jugo soviético, vários bispos desse país vieram a Fátima oferecer a XV estação – a Ressurreição de Jesus.

Neste ano em que se comemoram 10 anos da morte do padre Kondor, a comunidade húngara continua a não o esquecer, antes pelo contrário. A semana passada, Fátima foi palco do encontro das Associações Húngaras Europeias. Mais de 300 pessoas que vivem em vários países do nosso velho continente, percorreram a Via Sacra, celebraram a eucaristia na capela do Calvário Húngaro e recordaram o Padre Kondor, lançando dois livros em sua memória. Estiveram presentes o embaixador da Hungria em Portugal Miklós Halmai e a antiga embaixadora Klara, que se deslocou propositadamente da Hungria para prestar homenagem a um homem que, apesar de ter uma estátua numa praça com o seu nome, é infelizmente tão pouco recordado (e reconhecida a importância do seu legado) pelos fatimenses.

A partir de 1963 até à sua morte em 2009, o padre Kondor foi nomeado Vice‑Postulador das Causas de Beatificação e Canonização dos Pastorinhos. Não cabe no nesta simples crónica referir toda a sua acção pastoral por esse mundo fora, divulgando a mensagem de Fátima e advogando a canonização dos 3 pastorinhos. Quando, há alguns anos visi‑ tei a sua aldeia natal, Csikvánd, ao entrar na pequenina igreja local, deparei‑me com mais uma obra com a sua marca, um altar dedicado a Nossa Senhora, com uma pintura dos 3 pastorinhos (vestidos singelamente com trajes húngaros).

Parafraseando o padre João Augusto Leitão, missionário do Verbo Divino, o padre Kondor “percebeu que a Mensagem de Fátima tinha um alcance universal, é altar do mundo para salvação e paz no mundo, por isso, dedicou
a sua vida para divulgar a mensagem, como arauto de Fátima”. A esta figura que estará para sempre ligada à mensagem de Fátima e que transformou um cabeço árido numa Via Sacra, local de peregrinação e fé, percorrida por milhares de pessoas, resta-me apenas agradecer com um sonoro “Boa tarde Padre Kondor”.

josediasrato@hotmail.com

Últimas Opiniões de José Poças