Notícias de Fátima
Religião Educação Sociedade Lazer Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Miguel Ferreira

22 de May, 2020

Hábitos mentais que causam negatividade (parte 1)

Cada vez mais é sabido que a forma como interpretamos os acontecimentos, os pensamentos que passam pela nossa cabeça e as explicações que damos sobre como é que funciona o mundo, afectam‑nos directamente.

 

É claro que ninguém se quer tornar numa pessoa negativa, e é normal que perante momentos mais difíceis, possa surgir uma visão mais “negra” da realidade.

 

Então, mesmo perante adversidades, se quer ter uma visão mais esperançosa e optimista, veja se consegue diminuir estes hábitos mentais e a partir daí, faça o que tem de fazer para melhor viver a sua vida:

 

Não perdoar os outros

 

Este hábito é provavelmente dos mais prejudiciais para a nossa saúde física e psíquica. Para muitas pessoas, perdoar significa esquecer algo que lhes aconteceu, muitas vezes dizendo que já está tudo bem, mas que na realidade não está. O que o “verdadeiro perdão” significa, permitir livrar‑se do ressentimento de ter sido injustiçado, aceitar algo que ocorreu mal e acreditar que merece seguir em frente. É sobretudo, abandonar a ideia de vingar‑se da outra pessoa, deixar de pensar em “acertas as contas”, pois enquanto assim se permitir estar, irá corroer o seu bem‑estar emocional. Este perdão não irá minimizar o erro das acções da outra pessoa, irá sobretudo permitir aliviar‑se do sofrimento que isso lhe causou. O “perdão” como atitude consciente e sincera está associado à redução da depressão, stresse e hostilidade, para além de melhorar a auto‑estima e até mesmo a saúde física. Ao conseguir olhar para os seus benefícios, entenderá que se trata de ser gentil consigo mesmo, e não, sobre estar a fazer um favor à outra pessoa.


Não se perdoar a si mesmo

 

Ainda mais gentil é permitir‑se superar os seus próprios erros. Um único erro na vida, podem‑no levar ao arrependimento, constrangimento, vergonha e culpa para o resto da vida. Permanecer neste tipo de pensamentos negativos, irá viver em stresse e com uma visão pessimista, desenvolvendo em si uma dinâmica na qual irá ver o mundo duma maneira amarga ‑ acreditando que será indigno de se sentir bem. Para reduzir os sentimentos e sintomas de depressão, é fundamental, perdoar‑se a si mesmo, mas para tal, há que identificá‑los e percebê‑los. Pare de fugir aos mesmos! Dando‑se conta que, está numa luta interminável com os seus pensamentos, procurando “raciocinar” para fugir deles, aprenda a aceitar a sua presença, sem lhes dar significado. São apenas recordações de uma mesma situação e já não fazem parte do presente. Viva mais o aqui e agora.

 

Pensamentos de tudo ou nada

 

Este pensamento de “tudo ou nada”, também é uma das principais causas duma variedade de estados psicológicos doentios, tais como, as desordens de ansiedade, entre as quais o pânico, a baixa auto‑estima, o perfeccionismo e o desespero. Este tipo de estado emocional está directamente ligado a padrões mais ou menos ocultos de pensamentos disfuncionais, ou seja, uma visão de mundo negativa ou muito rígida que parece maior do que realmente é. Ao mantém o seu foco mental no que está errado, em vez do está certo, ou apenas ver o lado mau das pessoas, em vez de compreender que essa manifestação é apenas um comportamento e não o todo da pessoa, poderá estar a prejudicar‑se a si mesmo.

 

Aprenda a relativizar e a entender, que nem tudo é bom ou mau por si mesmo, e que o significado de tudo existe na sua forma de interpretar e não naquilo que realmente a realidade é.

Bem hajam, e procurem mudar estes hábitos.

Últimas Opiniões de Miguel Ferreira