Notícias de Fátima
Religião Lazer Sociedade Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Miguel Ferreira

23 de June, 2020

Hábitos mentais que causam negatividade (parte 3)

Na sequência dos artigos anteriores, vale a pena rever também se possui algum destes três hábitos que provocam a negatividade e consequente falta de resultados e significado na vida.

 

Acreditar no “Ah, quando eu...”.

“Ah, quando eu conhecer a pessoa ideal / ah, quando conseguir a promoção / ah, quando perder aqueles 10 quilos / ah, quando morar numa casa maior / ah, quando os meus filhos tiverem vidas independentes e bem‑sucedidas… então ai irei ser feliz”.

O mito da chegada refere‑se à crença de que quando “chegar” a um determinado ponto da sua vida, tudo se encaixará e a sua vida finalmente começará. Esta crença de que tudo irá melhorar quando alcançar algo desejável, pode ser quase tão prejudicial como o não acreditar que as coisas vão melhorar, uma vez que o vai deixar decepcionado quando as coisas realmente não melhoram. Fazer depender a nossa felicidade da espera, ou nas mãos dum evento de vida aleatório pode ou não ter qualquer efeito sobre a nossa felicidade – uma vez que estamos a dar demasiado poder a uma situação externa que pode não depender só de nós mesmos. Esta forma de estar condicionada, tira‑nos a capacidade de viver em felicidade e alegria, não usufruindo do caminho que é a vida, uma vez que estamos muito focados no destino. Mais importante que o destino é, pois, a forma como vive o caminho para o destino, mesmo que nunca lá chegue.

 

Generalizações excessivas

Este é um dos “erros cognitivos” que identifica Aaron Beck e que nos coloca num grande risco de depressão, e muitas vezes manifesta‑se em acreditar que se falharmos numa coisa, iremos falhar em tudo. O hábito de generalizar demais – transforma um monte de terra numa montanha – sendo também este padrão de pensamento associado às pessoas que têm uma visão negativa sobre tudo o que as rodeia.

Muitas vezes, esse tipo de pensamento aparece sobre a forma de “paranóia”: “Estenda a alguém a mão e esse alguém irá querer o seu braço” ou “se permitir, todo as pessoas irão abusar de si.” É real que nem todas as pessoas são modelos de virtudes, mas também é real que há muitas pessoas bondosas e generosas. Só porque há pessoas abusadores golpistas não significa que tenha de parar de ajudar todos os que não o são. Portanto, dê‑se conta das suas ideias e crenças generalistas que o levam a olhar para o mundo como um lugar perigoso ou hostil, pois dessa forma, está em primeira instância a prejudicar‑se a si mesmo, gerando essa mesmo hostilidade no seu interior.

 

Não praticar gratidão

O não ser grato por tudo é uma escolha. Ou podemos passar a vida inteira a reclamar de todas as adversidades que impedem os meus desejos, ou até mesmo, reclamar a fila de espera para o restaurante ou mesmo a multa imprevista que me vai estragar os planos financeiros.

Amargurar‑nos a vida pela ingratidão só nos vai prejudicar ainda mais. Há quem diga que a gratidão é a emoção da “alma”. Através da prática constante da gratidão pelas coisas grandes e pequenas, poderemos ser pessoas mais entusiastas e com acções que podem levar à evolução, bem como grandes benefícios para a saúde mental, emocional e física – aprimorando o sistema imunológico e a saúde do coração, entre muitos outros. 

 

Ser saudável é uma escolha e está ao alcance de qualquer um.

Bem hajam.

Últimas Opiniões de Miguel Ferreira