Notícias de Fátima
Religião Lazer Sociedade Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Renato Carrasquinho

22 de June, 2020

Vencer pela CARIDADE

Há uma pergunta que faço a mim mesmo todos os dias: será que o mundo realmente aprendeu alguma coisa com tudo o que se passou nos últimos tempos (a propósito da pandemia do coronavírus)? Eu, pessoalmente, estou convencido de que não. É um facto inquestionável de que fica sempre muito bem dizerem-se frases bonitas nas redes sociais, mostrarem-se (aparentes) bons sentimentos para com os demais e, sobretudo, andar a repetir-se aquela a lengalenga quase infantil que declara: “Vamos ficar todos bem!”. Enfim, fantasias. O que não ficou (nem fica) nada bem ou bonito foi o termos assistido às pessoas a atropelarem-se nas filas dos supermercados, aos gritos histéricos sobre quem é que tinha mais direito à última lata de conserva ou – imagine-se o nível de miséria do interior humano! – à última embalagem de papel higiénico.

Eu sei que os meus queridos leitores e leitoras sabem do que falo; não vale de todo a pena, nesta fase, ignorar o óbvio. Tudo isto, infelizmente, aconteceu.
A Humanidade vive mergulhada numa pandemia global na qual o coronavírus é apenas um dos pretextos para o debate público sobre quais os males do mundo. Mas quereis saber onde é que está a fonte de todo esse mal? Não, não é no malfadado vírus que nos assolou a vida durante meses – e, ao que parece, promete continuar a fazer das suas! A fonte do mal está no nosso próprio umbigo, para onde teimamos em continuar a olhar e a não querer dele desviar os nossos olhos.
Nós estamos a atravessar tempos de pandemia, sim: a pandemia da falta de amor ao próximo; a pandemia do crescente racismo e da xenofobia; a pandemia da discriminação social e da perseguição religiosa; a pandemia do excesso do nosso “eu” e da imensa falta do “outro”. Estas são as grandes, senão mesmo as maiores, pandemias da actualidade, e são também as pandemias mais mortíferas, das quais a comunicação social só se ocupa para provocar o escândalo e alcançar um aumento fácil e invariavelmente desprovido de mérito das suas audiências.
Urge uma mudança! Os comentadores televisivos que falam sempre de tudo e a propósito de tudo, mas sem dizer normalmente nada e a propósito de nada, dir-nos-ão aquela frase-feita: “É precisa uma verdadeira mudança de paradigma!”. Eu atrevo-me a dizer – sem querer competir ou trocar de posição com nosso querido Papa Francisco – que é preciso antes uma mudança de sentimentos nos corações dos homens e mulheres a fim de que se tornem todos “de boa vontade”.
A pandemia global em que estamos mergulhados só se vai vencer, na minha modesta opinião, pela caridade. Não pela “caridadezinha”, não pelos actos de aparente bondade, não pelos discursos bonitos e enternecedores ou pela dádiva de uma esmola casual. É precisa, agora e mais do que nunca, a verdadeira CARIDADE! É preciso sair à rua e sorrir para o outro, é preciso começar a falar para o outro, é preciso saber e questionar se falta algo ao outro, estar mais atento às necessidades do outro, ajudar o outro, colocar-se no papel do outro, no coração do outro.
Eu não acredito na frase do “vamos ficar todos bem”. Não, não vamos. Mas podemos ficar melhores, lá isso podemos. E podemos também vencer esta e todas as pandemias do mundo pela via mais bela e mais nobre que existe:
– Só podemos vencer pela CARIDADE!

Últimas Opiniões de Renato Carrasquinho