Notícias de Fátima
Autárquicas 2021 Religião Lazer Sociedade Educação Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Vasco Jorge Rosa da Silva

27 de May, 2021

Surto de cólera em Fátima em 1856

A freguesia de Fátima tem vindo a ser, desde há séculos, afectada pelos mais diversos surtos epidémicos, destacando-se, de entre eles, o da cólera, o da malária ou paludismo e o da varíola. Em oitocentos, as fontes históricas coevas, tais como os registos paroquiais, são mais rigorosas, pelo menos no caso de Fátima, quanto à referência às doenças em questão e até a alguns sintomas.

Nos meados dos anos 50 do século XIX, uma grave epidemia de cólera, Cholera morbus, atingiu, por completo, o Portugal de antanho. Neste contexto, o concelho de Ourém não ficou imune ao vibrião colérico, Vibrio cholera, descoberto, em 1883, pelo alemão Robert Koch (1843-1910). Este tipo de doença infecciosa, que em parte significativa dos casos se caracteriza pela presença de vómitos, como foi o caso em estudo, tem origem sobretudo no consumo de água e alimentos contaminados.

Em Fátima, apesar de se desconhecer o número total de infectados, sabe-se, por indicação do Pe. Joaquim Mateus Vieira da Rosa, cura da paróquia, no livro de registo de óbitos que abarca o período que vai do ano de 1853 ao de 1881, que faleceram 14 indivíduos por cólera: [1] José Manuel, solteiro, filho de Sebastião Pereira, de Boleiros, a 5.8.1856, com vómito; [2] Manuel, filho de João Simão e de Rosa Maria, do Carrapeto, a 7.8.1856, com vómito; [3] Joaquim dos Santos, casado com Rosária Maria, de Aljustrel, a 9.8.1856, com vómito; [4] Maria Brígida, casada com António da Silva, de Moitas, a 25.8.1856, com vómito; [5] Joaquim Rodrigues, casado com Maria Jacinta, de Lombo de Égua, a 27.8.1856, com vómito; [6] Joaquina Maria, casada com Manuel Moreira, de Moitas, a 28.8.1856, com vómito; [7] Maria Rosa, casada com António Pereira, de Ramila, também a 28.8.1856, com vómito; [8] Manuel Luís, viúvo, de Moita Redonda, a 29.8.1856, com vómito; [9] Maria Rosa, casada com José António, de Boleiros, a 2.9.1856, com vómito; [10] Maria Antónia, solteira, de Boleiros, a 3.9.1856, com vómito; [11] Josefa Maria, viúva de José Marto, de Fátima, a 6.9.1856, com vómito; [12] Amadeu dos Santos, casado com Cândida de Jesus, de Carrapeto, a 7.9.1856, com vómito; [13] Manuel Alves, casado com Maria Joaquina, de Moita Redonda, a 13.9.1856, com vómito, e [14] Joaquim das Neves, casado com Maria Joaquina, de Moita Redonda, a 13.10.1856, também com vómito.

Os 14 defuntos mencionados supra, cuja sepultura ocorreu no adro da então igreja matriz, eram provenientes dos povoados de: Aljustrel, 1 caso; Boleiros, 3; Carrapeto, 2; Fátima, 1; Lombo de Égua, 1; Moita Redonda, 3; Moitas, 2, e Ramila, 1.

Por fim, de referir que as mortes ocorreram nos meses de Agosto, Setembro e Outubro, ou seja, um pouco mais tarde que em algumas freguesias circunvizinhas, como é o caso da de Santa Catarina da Serra, onde em Julho já havia dois óbitos. Embora, tal como para Fátima, o mês de maior actividade da cólera tenha sido, de longe, o de Agosto, começando o número de vítimas a decrescer em Setembro.

 

Últimas Opiniões de Vasco Jorge Rosa da Silva