Notícias de Fátima
Religião Lazer Sociedade Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Agostinho Xavier

19 de April, 2020

“In memoriam”

Uma das consequências mais cruéis deste pesadelo colectivo, que está a afectar todo o mundo, ditada por regras de ordem sanitária, é não permitir um último adeus público aos amigos e familiares que atingiram a meta nesta caminhada terrena.

 

No dia 3 de Abril, faleceu o Sr. Albino Frazão Ferreira Cecílio, conhecido por Albino do banco, natural de Alqueidão da Serra, Porto de Mós, onde nasceu a 20/6/1939, privado das honras e calor humano, merecidos e devidos pelo seu desempenho como cidadão, empresário e político.

 

Chegou a Fátima em 1958 onde se radicou e constituiu família com a Dona Maria Celeste, união da qual nasceram duas filhas, a Rosário e a Alexandra. Começou por trabalhar na Loja do Francisco, passando pelo posto de câmbios do Banco Pinto Magalhães, onde teve como colegas o Sr. António do banco e o carismático e saudoso Estorninho, transitando depois para a futura agência do banco, onde se manteve até atingir a reforma.

 

Conciliou, ao longo da vida, a actividade profissional com a de empresário, onde se notabilizou como uma das maiores figuras empreendedoras do seu tempo, mas à frente do tempo, em áreas como o turismo, saúde, ramo alimentar, pecuária, seguros e comunicação social. Na área do turismo, podendo ser considerado o precursor do turismo religioso organizado, destacam‑se a agência de viagens Verde Pino, empresa familiar de dimensão nacional, com dez sucursais distribuídas por Évora, Castelo Branco, Leiria, Santarém, etc., a empresa Promoel, que explorou durante vários anos as piscinas de São Pedro de Moel e o Hotel Católica, no qual, por um curto espaço de tempo, ainda fomos sócios. No ramo alimentar foi sócio fundador do Cash & Carry Ramecel, empresa pioneira nessa actividade na época. No ramo da saúde, foi o mentor e sócio fundador da empresa Sétima, proprietária da primeira clínica em Fátima. No ramo da pecuária, esteve associado à empresa Sócria, tendo como sócios Manuel Castanheira, António Mangas, Emanuel Alho. Na área dos seguros fundou a sociedade Magalhães e Ferreira Lda., tendo como sócio o falecido e saudoso Sr. Eleutério Magalhães, carismática personalidade, empresa que deu origem à Somefa com a entrada dos sócios António Santos, Paulo Carreira e Carlos Moreira. Na área da comunicação social foi sócio do jornal Notícias de Fátima.

 

Acreditando no princípio de que a união faz a força, sempre privilegiou os negócios em parceria. Como político exerceu, com competência e seriedade, o cargo de presidente da Junta de Freguesia de Fátima durante dois mandatos, ficando, para a posteridade, o seu nome ligado à urbanização Bairro Nossa Senhora da Conceição, projecto elaborado a pensar nas pessoas de menores recursos, à instalação do Lar Residencial para Pessoas Portadoras de Deficiência da União das Misericórdias Portuguesas em Fátima, obra de interesse público, ao Centro de Dia da Freguesia de Fátima e ao restauro da feira de Boleiros, tendo na altura, facto inédito, contado com a colaboração da Dona Alice Magalhães como secretária, a primeira mulher a exercer tal cargo na Junta de Freguesia de Fátima.

 

A nível social sempre colaborou com as várias iniciativas colectivas, contribuindo generosamente, sempre que para tal era abordado, disso dando nós testemunho, pois várias vezes lhe batemos à porta a pedir apoio para o Centro Desportivo de Fátima e para a Paróquia.

 

Foi um político sério que exerceu o cargo com o intuito de servir, um empresário inovador, um bom homem, honesto, respeitador e respeitado, de princípios, onde a família sempre ocupou um lugar cimeiro.

 

A Câmara Municipal de Ourém, a Junta de Freguesia de Fátima, o Santuário de Fátima, com o qual também muito colaborou e o Rotary Club de Fátima, do qual fez parte praticamente desde o início e no qual se destacou pelo dinamismo e capacidade interventiva, devem‑lhe uma justa e pública homenagem, que não deve pecar por tardia, logo que a conjuntura actual assim o permita.

 

Descanse em paz e até sempre Sr. Albino.

Últimas Opiniões de Agostinho Xavier