Notícias de Fátima
Religião Educação Sociedade Lazer Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Carina João Oliveira

15 de November, 2019

Crónica de uma optimista informada

Por vezes fazem ‑me perguntas sobre a minha visão de futuro nalgumas matérias e, tantas vezes, mostro algum cepticismo. Das últimas vezes já comecei a responder que não era uma questão de pessimismo crítico da minha parte, mas antes, por ser uma optimista bem informada.

Na última semana decorreu o Web Summit em Lisboa, que diz pouco ou nada à generalidade dos portugueses, mas tem impacto na comunidade tecnológica do mundo inteiro. Podemos discordar de muita coisa sobre isso, como por exemplo o montante de subsídios públicos atribuídos para vermos jovens a trabalhar lá como “voluntários” gratuitos, mas não podemos ignorar o que a tecnologia irá mudar no nosso mundo.

E é nesse mesmo mundo que precisamos de perceber o que vai mudar. À margem desse mesmo Web Summit onde gravita a nata mundial de investidores de tudo o que é sofisticado (anda tudo na nuvem claro…), um bebé foi encontrado no lixo por um sem‑abrigo. É neste paradoxo de mundos que vivemos, mas também vislumbro que as diferenças ainda se vão acentuar mais. Sabe Deus a história que ali estará, não nos competirá qualquer julgamento, antes, a compaixão.

Há uns anos num Congresso Mundial de Transportes na Alemanha, uma importante marca de renome mundial dissertava sobre a forma como no futuro iriam ser organizadas as cidades, tudo controlado e conectado, internet em todas as coisas e claro, nos veículos autónomos que nos irão buscar a casa e levar só com um simples clique no botão de uma App e pelo caminho ainda temos tempo de ver um filme e encomendar uma pizza. Infalível. Programado. Vida sem erro.

Eis que na sala alguém pergunta: mas então e se não houver rede? E energia? E se as pessoas não tiverem condições de poder pagar isso? Ou simplesmente, se não quiserem?...a resposta é invariavelmente a mesma: para vivermos todos sobre a mesma “batuta” tecnológica, quase em filme de ficção científica, muita gente será excluída desse mesmo sistema.

Seja porque não o pode pagar, seja porque não o saberá operar, seja porque poucas cidades terão condições de construir alguma coisa semelhante para todos os cidadãos sem custos astronómicos. E num sistema onde muitos pagam para poucos beneficiarem, a justiça social está curta logo à partida. Por isso tenho acompanhado com atenção, tudo aquilo que são mudanças e alterações que a tecnologia nos irá trazer.

Não pensem que não irá acontecer, porque já cá está o caldo onde essas mudanças começaram. Há mais de 100 anos também se dizia o mesmo do cavalo e do carro, que a velocidade do carro seria muito grande e o cavalo servia perfeitamente as necessidades das pessoas.

O que é que aconteceu?...montámos todos em cima dos carros.
Nesse chapéu da evolução natural (?) da vida, temos sempre uma visão do que aprendemos com o passado. De ciclo para ciclo somos diferentes, mas o que fica é o conhecimento que foi transmitido e aprendido. Creio que isto responde sempre a uma parte do sentido da vida, saber de onde viemos, como chegámos até aqui e como é que daqui podemos avançar, ou pelo menos, o que nos é dado a fazer.

Por isso é tão importante estar actualizado nesta Web toda que aí vem, sejam as escolas, as empresas, mas os cidadãos em geral e a forma como todos seremos usuários de tecnologia.

Nem todos seremos programadores e teremos profissões HighTech. Mas vamos levar com eles pela frente na (des)organização da nossa vida, pelo menos da vida como a conhecemos até aqui. Quem nunca se viu refém de um sistema informático cego que teima em não dar resposta ao que precisamos?... Restar‑nos-á melhorar a nossa humanidade. Daquilo que a cada um diz respeito.

Essa é a parte optimista que acalento…

Últimas Opiniões de Carina João Oliveira