Notícias de Fátima
Religião Educação Sociedade Lazer Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Carina João Oliveira

22 de May, 2020

Crónica dos dias presentes

À hora que escrevo este texto, o país começou a “desconfinar”. São verbos novos os que aprendemos a conjugar por estes dias. Estávamos confinados, estávamos On, agora entramos numa espécie de descongelamento da nossa mobilidade.

 

A Clara Ferreira Alves, no Expresso há duas semanas, escrevia o seguinte: “Ninguém quer gastar a vida online. Sem a liberdade de ir à praia quando e onde se quer, de ir almoçar e jantar fora, de ir tomar um copo, de ir abraçar os parentes e amigos, de ir trabalhar fora de casa, de existir dentro e fora de horas,…[…] o mundo digital é virtual, irreal, seco e sem dimensões”.

 

E tem razão. Falo com o mesmo sentimento que vejo nas pessoas com quem interajo diariamente: estamos fartos disto, ninguém quer passar a viver online e precisamos de voltar à vida como ela é, mesmo que cheios de cuidados e protecções!

 

Veja ‑se o caso da nossa cidade, não há hospedes online nos hotéis…podem registar‑se e fazer uma série de operações desmaterializadas e digitais, mas a presença física é o que nos sustenta a procura turística. E nós gostamos de Turismo, está no nosso ADN, na nossa tradição e temos o saber feito de experiências bem‑sucedidas de cuidado e atenção às pessoas que nos visitam. E por isso também voltam ano após ano.

 

Das imagens da semana alta nas celebrações marianas de 12 e 13 de Maio, corta‑nos o coração ver o Santuário vazio… “vazio mas não deserto”, como bem disse o cardeal António Marto, numa época atípica que eu não gostaria de ver repetida.

 

O tempo convida à introspecção e a reposicionar valores. A vida humana toma primazia nestas alturas e a lição dada ao país pelo Santuário de Fátima pode deixar‑nos muito orgulhosos. A responsabilidade pelo bem comum está para além de tudo o mais que se possa argumentar. De Gaulle dizia que a solidão é a companheira dos grandes homens, e a imagem do Papa Francisco sozinho na praça em Roma nas celebrações da Páscoa, e de António Marto a presidir às celebrações num Santuário vazio, trazem‑me isso à memória, a grandeza das grandes
consciências do mundo. Precisamos mais que nunca destes exemplos e destas referências. Mesmo que sejam incómodas.

 

O tempo está para mudanças, em atitudes e comportamentos, tomando como perspectiva o que queremos para o futuro. A ciência procura respostas para a crise sanitária gerada pela pandemia e, enquanto aguardamos novas descobertas, é importante aprender a viver com distâncias, mas com certezas, com dimensão, com noção do real e a existir no tom certo da vida...

 

Não podia deixar passar nesta crónica dos dias presentes, de falar num tema nada apelativo. Chama‑se saneamento básico e tem estado a ser executado em diversas ruas da cidade e do concelho num investimento de muitos milhões de euros. Como o nome indica, trata‑se de uma condição básica da nossa organização moderna das vilas e cidades, mas só chegados a este Maio de 2020 conseguimos ver esta rede chegar à sede de freguesia... Conversa é levada pelo vento, e nos tempos em que há quem concretize obra, esse mérito tem que ser dado. Por isso, palmas para este executivo municipal, mudar as cidades nem sempre é fácil, compreendido, célere, mas passo a passo é assim que se consegue uma entrada na modernidade. E isso é muita coisa nos dias que correm. Haja mais obras desconfinadas que a população agradece

Últimas Opiniões de Carina João Oliveira