Notícias de Fátima
Religião Educação Sociedade Lazer Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Tomé Vieira

31 de Maio, 2019

Vogando...

Sempre me questionei sobre as razões que levam as pessoas a partir. O que as impulsiona a soltar amarras, buscando novas paragens? Que estímulo(s) as impele(m) a abandonar o sentimento de conforto e segurança que por norma a vida familiar e o convívio comunitário, principalmente entre amigos, nos transmitem? A que força(s) se aliam para enfrentar o desconhecido e tudo aquilo que isso comporta: a solidão, o desconforto, a instabilidade, a insegurança?

Algo, porém, me parece seguro quanto ao momento da partida: enquanto uns procuram, outros fogem; provavelmente, a maioria faz as duas coisas em simultâneo. As motivações serão diversas e muitas vezes inconscientes, isto é, não terão o suporte de uma intelectualização racional e ponderada, resultarão antes de um mecanismo mental, mais ou menos elaborado consoante os casos, em que o acumular de situações e experiências faz germinar a urgência da partida.

Dir-me-ão por certo que é facílimo identificar as principais motivações para a emigração e a diáspora. Logo à cabeça o instinto de sobrevivência e de preservação da integridade individual, seja ela física ou mental, principalmente no caso daqueles que fogem. De igual forma, imediatamente pensamos na aspiração a uma vida melhor, em que o sustento pessoal e familiar seja assegurado sem tantos transtornos, em que a retribuição pelas agruras laborais seja mais justa. Trata-se também do desejo universal de escalar o caminho, tantas vezes íngreme, do reconhecimento social.

Acredito, contudo, que outros motivos, mais subliminares, influem de forma determinante na decisão final. Tratar-se-á de algo que se encontra guardado no mesmo baú dos sonhos eternamente adiados, dos segredos inconfessados e dos desejos jamais verbalizados. Seja como for, algo une todo e qualquer ser humano que opta por partir, independentemente da cor, do credo, da etnia e do estrato social: a urgência de mudar.

Últimas Opiniões de Tomé Vieira