Notícias de Fátima
Sociedade Religião Lazer Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB

Tomé Vieira

19 de novembro, 2021

Vogando…

Este artigo fugirá um pouco às temáticas habituais. Há um assunto demasiado importante para ser ignorado. Trata-se da corajosa luta que uma família de Famalicão tem protagonizado e que diz respeito a todas as famílias portuguesas. De facto, há já três anos que o Ministério da Educação (ME) tenta reprovar os dois jovens deste agregado familiar, alunos de Mérito da respectiva escola. O mais velho já está no Ensino Secundário, com média de 20, e o mais novo frequenta ainda o 3.º Ciclo, imitando o nível de excelência do irmão com média de 5, mesmo assim o ME tem tentado reprovar os dois alunos pela simples razão de os pais destes jovens não aceitarem que eles frequentem as aulas de Cidadania e Desenvolvimento (CD).

 

Esta disciplina foi introduzida para cumprir objectivos semelhantes àqueles que em tempos Formação Cívica preconizava, tal como Educação Moral e Religiosa Católica faz no ensino particular e cooperativo, isto é, um conjunto de objectivos que devemos enquadrar no âmbito da ética e da moralidade. Ora, a discussão deve ser correctamente enquadrada, pois estamos a falar de princípios básicos da nossa civilização. Será que queremos confiar ao Estado a esponsabilidade de educar as nossas crianças em termos ético-morais, algo que sempre foi das famílias? Deve ser o Estado o principal garante da ética e da moral, Estado esse que nuns momentos pode ser dirigido por pessoas íntegras, mas a qualquer momento pode ser tomado por pessoas de intenções perniciosas? O mesmo Estado que a todo o momento é envolvido em situações de conflito de interesses, de nepotismo e de corrupção? É este Estado que nos vai dizer como devemos educar os nossos filhos?

 

Quem ler os textos introdutórios do programa de CD pensará que se trata de algo inofensivo e até louvável, mas aquelas supostas boas intenções vão muito mais longe quando mergulhamos nas 2360 páginas dos documentos com orientações e propostas de aulas. Aí percebemos com muita clareza a real intenção daquela gente e que está muito longe de ser louvável. Só para amostra, transcrevo uma pérola que se encontra nesses documentos: «esta caracterização (…) dos homens e das mulheres em termos pessoais e sociais, a partir do conhecimento da sua categoria biológica de pertença (…) [é uma] visão dicotómica [sem] qualquer fundamento científico». Traduzindo, para estes iluminados não há qualquer problema em ignorar a existência de cromossomas X e Y, biologicamente diferentes, o que interessa é propagar os seus novos e delirantes dogmas. Esses documentos põem igualmente em causa a tradicional comemoração dos dias da Mãe e do Pai, assim como alertam os professores para a possibilidade de algumas propostas abrirem conflitos com os pais. Ou seja, a escola deixa de ser um local pacífico de transmissão de conhecimentos para se tornar o campo de batalha onde os ideólogos tentam entrincheirar professores e alunos contra pais e encarregados de educação. Querem simplesmente destruir o conceito de família à boa maneira soviética. Só lhes falta criar escolas de formatação ideológica como na ex-URSS, onde eram colocadas as crianças depois de serem roubadas às famílias.

 

Isto acontece porque o ME foi tomado de assalto pelos mesmos que ainda na semana passada comemoravam alegremente a revolução russa, que resultou num regime responsável por um dos maiores genocídios da História, traduzido em perseguição, tortura e morte, como os tristíssimos Gulags e Holodomor nos lembram. É a estes indivíduos que querem entregar a responsabilidade de educar os nossos jovens em termos éticos e morais?

 

Paradoxalmente, é a família Mesquita Guimarães que nos dá a resposta mais límpida. A sua resiliência é inspiradora e mostra-nos muito mais do que a inutilidade pseudo-moralizante daquela disciplina, deixando bem evidente o propósito ubjacente de formatar ideologicamente as novas gerações através da disciplina de CD. Da minha parte, apenas posso agradecer o exemplo desta família.

Últimas Opiniões de Tomé Vieira