Notícias de Fátima
Religião Educação Sociedade Lazer Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB
Home Política Câmara Municipal desiste da aplicação da taxa turística

Câmara Municipal desiste da aplicação da taxa turística

Política - 22 de Novembro, 2019
A Câmara Municipal de Ourém já não vai aplicar a taxa turística no concelho, anunciou o presidente Luís Albuquerque aquando da aprovação do Orçamento Municipal para 2020. A decisão prende‑se com uma medida anunciada pelo Governo. AHRESP e ACISO congratulam ‑se com a decisão.

A decisão de não avançar com a medida, que estava a ser avaliada desde 2018, prende-se com o facto do Governo passar a transferir para os cofres da autarquia 7,5 % da receita anual arrecadada com IVA proveniente da hotelaria e restauração existentes no concelho. A autarquia espera arrecadar cerca de 500 mil euros com esta medida, ou seja, mais 100 mil euros do que previa arrecadar com a aplicação da taxa turística.

“Se o governo, e bem, vai passar a transferir este valor para os municípios, parece‑nos que não faz qualquer sentido nós estarmos a taxar”, referiu o autarca, lembrando que esta nova medida já estava contemplada na Lei das Finanças Locais, mas não estava a ser aplicada.

Os vereadores do PS aplaudiram a decisão do executivo por ter “dado um passo atrás” na decisão.

Quem também se congratulou com o facto de a autarquia ter deixado cair a taxa turística foi a Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO). Logo após ter sido conhecida a decisão, a associação empresarial do concelho partilhou, nas redes sociais, uma nota onde se congratula com o retrocesso e refere que “a aplicação da taxa turística, em Fátima, no contexto actual, seria um erro.”

A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) também saudou a decisão do município de anular a aplicação da taxa turística. E salientou que a deliberação da autarquia resulta do forte contributo prestado pela AHRESP, que “sempre defendeu a não aplicação desta taxa turística, que iria gerar um impacto negativo na imagem de toda a região, e particularmente no destino turístico “Fátima”. “Estamos muito satisfeitos com esta decisão, que permite a continuidade da consolidação do destino turístico ‘Fátima’ a nível nacional e internacional, mantendo Portugal como uma referência enquanto destino de Turismo Religioso à escala global, e que poderia ser replicado por outros Municípios”, considerou Jorge Loureiro, vice‑presidente da direcção da AHRESP, numa nota enviada às redacções.

Mais Notícias Política