Notícias de Fátima
Sociedade Religião Lazer Educação Desporto Política Opinião Entrevistas Como Colaborar Contactos úteis Agenda Paróquia de Fátima
PUB
Home Lazer "Chá com Arte" regressa ao formato presencial com a obra “Nunca Pares”

"Chá com Arte" regressa ao formato presencial com a obra “Nunca Pares”

Lazer - 17 de julho, 2021
“Nunca Pares” é um livro sobre viagens a Fátima e a Santiago de Compostela, mas é mais do que isso.

Apresentado esta tarde em Fátima, na iniciativa Chá com Arte do Consolata Museu, o livro ´de Emanuel Mendes, piloto de linha área e instrutor de voo, faz o relato das aventuras, pessoas e lugares por que passou nas viagens a Fátima e a Santiago de Compostela, mas junta a esses relatos a sua reflexão pessoal sobre os caminhos da vida, que entende que cada um deve fazer à sua maneira.

 

“O título Nunca Pares não pede que nunca pares de fazer o caminho (de Santiago ou a Fátima], não é isso; é não pares de querer chegar mais além, de querer chegar mais alto; é para não desistirmos de fazer as coisas”, explicou.

 

Escrito em formato de diário de viagem, com sugestões e conselhos sobre como preparar e realizar uma viagem a Fátima ou a Santiago de Compostela, em Espanha, também com descrições de lugares e de factos históricos, o livro relata oito das treze viagens que Emanuel Mendes fez, a pé ou de bicicleta, a Fátima e a Santiago de Compostela.

 

Nascido em Alfama, em 1979, Emanuel Mendes descobriu já jovem, num passeio pelos lugares da sua infância, que um dos Caminhos de Santiago começa precisamente na Igreja de Santiago, em Lisboa, o Caminho Central Português. Antes disso, uma amiga despertara-lhe o interesse em conhecer e, depois o desejo de querer fazer, o Caminho de Santiago, que viria a concretizar-se, excluídas as tentativas frustradas, em Outubro de 2016.

 

No momento actual já começa pensar na décima quarta viagem. “Com várias opções em aberto”, talvez faça, “o caminho de Tavira-Santiago de Compostela”, partilha com o grupo de participantes no Chá com Arte.

 

“A viagem começa quando começamos a pensar nela. O benefício está na chegada, mas também na viagem”, sublinha, sem esconder que há percursos, dias e momentos mais difíceis. “Sem dor não há glória”, diz Emanuel Mendes, reforçando a mensagem ao apontar para a t-shirt que traz vestida, precisamente com essa frase em espanhol.

 

Antigo fuzileiro, com participação numa missão de paz na Bósnia aos 19/20 anos de idade, Emanuel Mendes, partilha que “cada chegada ao destino na conclusão de um caminho tem o seu gosto” e “cada pessoa tem a sua forma de a encarar, assim como cada um encara as diferentes situações da sua vida”.

 

“Notei que há dois tipos de peregrinos, em relação a Fátima: os peregrinos que vêm focados no chegar; e o outro tipo, que é o dos peregrinos de Santiago, que fogem ao perigo das estradas nacionais. Ambos estão focados no final, mas o segundo aproveita mais o caminho”, referiu.

 

Está convencido que ainda não pode escolher a rota de que mais gostou até ao momento. “A rota que mais gostei ainda não a fiz”, brinca. Já a credencial do peregrino, que deve ser carimbada em cada etapa, é “o passaporte que nos permite acesso aos albergues, aos lugares, e no final de tudo, quando estamos em casa, é uma recordação”. A seu ver, nem todos os carimbos são os das credenciais, porque alguns são impressos “no coração”.

 

Depois de algumas sessões em formato exclusivamente digital, devido ao contexto de pandemia, o Chá com Arte regressou ao formato presencial com a apresentação deste livro, desta vez num espaço exterior, com maior afastamento entre os participantes, cumprindo assim as normas oficiais. Desde sempre organizado em colaboração com a Liga de Amigos do Consolata Museu, com o apoio da marca "Aromas de Oureana", que desta vez ofereceu aos participantes uma tisana fresca de aroma floral, delicado e doce, pétalas de rosa e erva-príncipe, o Chá com Arte teve, como de costume, apresentação e coordenação do director do Consolata Museu, Gonçalo Cardoso.

 

Mais Notícias Lazer